Project Saga, ou como transformar uma Ducati SS900 numa café racer

Um dos trabalhos da Thor Cycles é a Project Saga, com base numa Ducati SS900 proposta por um cliente. A mota original, de 1999, não estava completa e mesmo o estado de funcionamento era dúbio, mas a verdade é que o seu potencial de customização encorajou lançar mãos à obra.

O objetivo foi ter uma mota distinta da Ducati SuperSport. Desde logo teve de ser mudado o quadro, que foi reconfigurado alterando inclusive a posição de condução. Foi seguido um estilo café racer, com uma postura mais paralelo à horizontal do solo. O quadro recebeu uma pintura a pó em preto.

Também o motor se quis diferente e em posição de destaque, sendo pintado em negro brilhante no bloco e em cinzento claro nos corpos dos cilindros. O propulsor foi desmontado para a pintura e manutenção recebendo várias mudanças como o rolamento anterior ou os discos de embraiagem.

Fonte da imagem: thorcyclesmotos.es

As jantes de série foram consideradas demasiado modernas e desportivas para o conceito idealizado, pelo que foram incluídas umas de raios vindas de uma Ducati GT1000. Não foram pintadas, mas os raios foram polidos à mão. A roda traseira requereu mais trabalho de adaptação à mota na conceção da Project Saga.

Os travões originais foram substituídos, com pinças de dois pistões de posicionamento unilateral à frente e discos que a Ducati usa nas motas com rodas raiadas. A pinça de travão traseira foi igualmente alterada. O amortecedor original foi restaurado e recebeu uma nova pintura.

Fonte da imagem: thorcyclesmotos.es

Em termos de iluminação, na parte da frente foi adotado o estilo das Ducati Monster 620, sendo um farol retro com vidro liso. Foi colocado numa posição mais baixa do que o original. O guarda-lamas foi cortado em comprimento e largura. O depósito de combustível foi igualmente trabalhado para se coadunar com o estilo café racer, optando-se pelo de uma Ducati 750 Sport.

Para o assento, usou-se um com capacidade apenas para o piloto fabricado em fibra, que segue na perfeição a curva descrita pelo depósito. O suporte da matrícula foi feito à mão em alumínio. Usaram-se semi-guiadores Tornasselli de cinco peças, simplificado para três tornando-os mais baixos. A pintura, em que o cinzento escuro domina, é da Bull Garage.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You May Also Like